quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Um erro calculado?




Spassky, B. X Fischer, B. ( Reykjavik, 1972)
Posição após 29. b5 …
(5k2/pp4pp/3bpp2/1P6/8/P2KP3/5PPP/2B5 b - - 0 29)

Para alguns, pode parecer estranho que esta posição tão simplificada, até levemente desinteressante, possa, ao mesmo tempo, ser tão famosa.

Em 1972, o mundo inteiro (e não somente os enxadristas) acompanhou avidamente a disputa pelo título mundial de xadrez (que, à época, era disputado a cada 3 anos). O motivo para tanto interesse foi que, desde a criação do ciclo do campeonato mundial pela FIDE (após a morte de Alekhine em 1946), aquela seria a primeira vez que os contendentes (campeão atual e desafiante) não seriam ambos soviéticos. Mais que isso, em plena Guerra Fria, emergira como desafiante o norte-americano Bobby Fischer!

Toda a tensão entre as potências mundiais, que não fora dissipada por meio bélico, seria agora colocada a serviço de dois exércitos simbólicos sobre um tabuleiro quadriculado de onde só um lado sairia vencedor. O título de campeão mundial de xadrez, que para o governo da URSS simbolizava a superioridade do homem soviético, pertencia a Boris Spassky.

Naqueles anos, Spassky já mostrava sinais de que não era tão feliz com o regime soviético, enquanto que Fischer, apesar de juras constantes de ódio à URSS, talvez fosse, de certa forma, o maior estudioso e fã do xadrez soviético (aprendera russo apenas para ler as publicações especializadas em xadrez da URSS). 

Foi da abundante fonte de partidas, livros, estudos e periódicos soviéticos que Fischer bebeu até se tornar apto a desafiar seus “professores” pelo título supremo do xadrez. Em seu caminho até a disputa máxima, o norte-americano assombrara a todos com seu desempenho, inclusive com a lendária série de 20 vitórias seguidas no ciclo de candidatos ao título, enfrentando somente grandes mestres, alguns ex-campeões mundiais. Um feito extraordinário jamais visto até então, e jamais repetido.

A posição acima foi o momento chave da 1ª partida do match de 1972. Essa partida foi muito esperada e esteve prestes a não acontecer, dadas as extravagâncias de Fischer (talvez já usando de truques psicológicos para abalar seu adversário). Mas em 11/07/1972 começou finalmente a disputa.

Como acontece normalmente nas partidas iniciais, os jogadores foram muito cuidadosos e, ao chegarem na posição acima, após o 29º lance branco, todos aqueles que acompanhavam a partida já aguardavam um empate por comum acordo. Talvez pressionado para forçar um resultado diferente do empate, Fischer comete um erro de iniciante: 29. … Bxh2?. Ao tomar o peão, Fischer aceitou a obrigatória perda de um bispo por dois peões. A partida continuou por mais 26 lances, com vitória de Spassky, que soube manter a vantagem.

Por que um grande mestre da categoria de Fischer tomaria uma decisão tão arriscada numa posição tranquila, trocando um empate garantido com as peças pretas por uma derrota quase certa?

Para entender, é preciso lembrar que aquele match, ao contrário dos anteriores disputados exclusivamente entre soviéticos, seria jogado não somente no tabuleiro, mas em outras esferas!

Com sua excentricidade e constantes demandas e ameaças em desistir da disputa, Fischer procurava tomar a iniciativa do combate mesmo antes da primeira partida. Ele queria que todos os seus caprichos fossem realizados, mesmo que somente para sentir-se “no comando”.

Uma das coisas que mais desagradaram ao desafiante foram as câmeras de TV instaladas pelos organizadores do match para registro e transmissão das partidas. Ele dizia que elas o desconcentravam com seu ruído (que aparentemente apenas ele escutava)! E qual argumento seria melhor do que culpá-las por um erro absurdo de sua parte na primeira partida? 

Assim, uma das razões para o 29. … Bxh2 seria criar um argumento forte para remover as câmeras de uma vez por todas já na partida seguinte (o que não aconteceu, levando Fischer a aumentar sua aposta não comparecendo à partida — o primeiro W.O. da história em disputas pelo título mundial).

O principal problema seria convencer Spassky. O soviético, porém,  para não interromper o evento daquela maneira e contrariando as orientações de Moscou, aceitou as condições de Fischer para a terceira partida.

Assim, Fischer começou o match com dois pontos de desvantagem nas duas primeiras partidas. Na esfera emocional, porém, ele já tinha uma vantagem muito maior, pois sabia que dominava a disputa e mesmo seu adversário.

A terceira partida marcaria a primeira vitória de Fischer contra Spassky em toda sua carreira.

Quando Spassky voltou a si, já na segunda metade do evento, Fischer já tinha revertido a vantagem para 5 a 2 a seu favor (descontando os empates), e foi impossível modificar o resultado final. Após 24 anos, o mundo conhecia um campeão mundial ocidental!

Compartilhe: bit.ly/ErroCalculado

Nenhum comentário: