terça-feira, 26 de julho de 2016

Fui natalense: 10 anos em ritmo de Xadrez




Visão geral da cidade de Natal - RN (fonte)
Muitas vezes, numa partida, posicionamos nossas peças na melhor casa, fica uma maravilha! A gente para de se preocupar com ela, pois ali exerce seu máximo poder de ação, domina espaço importante para o ataque, inibe o avanço de forças inimigas.

Porém, para arrematar a partida, ou para defender um contra-ataque repentino, é comum ser necessário remover a peça da casa ideal, e a teima ressentida pode causar até mesmo a derrota.

Ao avançar no Xadrez da vida, precisei deixar a cidade onde nasci, qual peão que avança da casa inicial para jamais retornar. Quis a dinâmica dos acontecimentos que fosse parar na cidade de Natal no ano de 2006, e lá permaneci pelos últimos dez anos.

Com o tempo, fui criando identidade com a nova cidade e lá completei importantes lances do meu desenvolvimento pessoal: primeiro emprego, primeira casa, casamento e filhos. Em especial, retomei a prática enxadrística séria, que havia interrompido havia pelo menos outros dez anos.

Se o jogo de Xadrez tem sido tantas vezes utilizado como metáfora da vida, não me parece estranho descrever esses meus anos como lances de uma grande partida contra o acaso (ou ajudado por ele).

O Xadrez tem três fases, Abertura, Meio-jogo e Final. Quantas terá a vida?

Nos primeiros anos, vivemos a fase da Abertura, com um desenlace ligeiro, seguindo movimentos mais ou menos conhecidos e comuns: engatinhar, andar, frequentar a escola, se formar. Frequentemente, não faz mal se perdemos um ou dois anos em experimentos menos convencionais, algo como um gambito de dias.

Então, já adultos, nos sentimos prontos, com vigor, cheios de habilidades afiadas. Se admitirmos que este rol de qualidades pode se comparar com a presença da Dama no tabuleiro, sem dúvida estamos falando do Meio-jogo. Aqui, os planos estratégicos amiúde miram longe uma vida tranquila e abastada no final, mas é preciso estar atento para não esquecer nenhum detalhe tático: uma oportunidade, uma conta a se pagar, uma data de aniversário!

As peças vão sumindo, trocamos entusiasmo e habilidades, por outras vantagens como sabedoria, experiência. Fortalecemos nossa personalidade com o passar dos anos e fatalmente chegaremos à fase Final, da partida, dos dias, do tempo. O que nos trarão os frutos de nossas escolhas, nossas jogadas? Muitas vezes, basta um peãozinho de vantagem que chega livre à borda adversária.

Foram dez anos em Natal, uma cidade onde entendi muito mais sobre o meu Xadrez e sobre as nuances da existência. Acabo de me retirar duma posição que pensava ser ideal; a tática se impôs, foi preciso jogar conforme. Ainda é pleno meio-jogo, o final é ainda distante, mas algumas peças já se foram, a cadeia de peões, as linhas gerais de ação e possibilidades mais óbvias já estão traçadas.

Este autor pondera sua próxima jogada.
Campeonato Estadual, Natal-RN, 2010 - 1ª rodada.
É hora de seguir o conselho de Neruda e sentar com paciência, não para buscar a luz caída no poço, mas para rever os planos, avaliar a Posição com carinho, escolher o próximo movimento.

Vejo daqui variantes diversas e já não preciso enxergar tantas jogadas à frente. Uma nova casa ideal está somente a uma ideia de distância.

Compartilhe: http://bit.ly/Natalense

6 comentários:

ramabircabral disse...

Parabéns amigo linda a sua interpretação de vida. A vida é um jogo Boa noite e forte abraço. Riba

ramabircabral disse...

Meu email está errado. É ribacabral@gmail.com

luciana barrozo disse...

Que linda reflexão. Que as casas adiante tornem-se perfeitas a cada jogada. Boa sorte Rewbenio e que a cada movimento você possa ver com mais clareza a beleza do jogo.

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabio Ohara disse...

Assim como não se joga apenas uma partida de xadrez, uma vida inteira não necessariamente precisa ser resumida em uma única partida.

Com cada partida, se ganha experiencia e você começa a desenvolver o seu estilo.

Tem partidas que são prazerosas outras frustrantes, elegantes ou brutas.

Tem partidas que são inesquecíveis, seja pelo erro que cometou ou pelo orgulho do movimento brilhante.

Cada partida começa igual, com a mesma posição das pecas, porém são as praticamente infinitas possibilidades para chegar ao fim que mantem você ansioso para iniciar a próxima partida, desta vez mais preparado e determinado.

Ao ver a vida como uma única grande partida, é colocar tanta pressão na jogada perfeita que o medo de errar te paralisa e a contagem regressiva continua.

Encarar cada dia como uma partida, te deixa livre para errar e ser derrotado, para o dia seguinte fazer melhor e vencer.

E a vida é como o xadrez, o objetivo não é vencer, isto é alcançado como consequencia da paixao,  dedicação e experiência acumulada que vem pelo jogo.

Minha opinião, você não esta a meio-jogo, você esta enfrentando um novo adversário com um estilo que você desconheca ;)

Fabio Ohara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.