Páginas

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Passagem de bastão




                                                                                                                              Por Rewbenio Frota
                                                                                                                                 (http://lancesquaseinocentes.blogspot.com.br/)

Fischer - Kasparov - Carlsen
Ver a história acontecer é sempre algo emocionante. Especialmente as rupturas, a quebra de velhos paradigmas, velhas ideias, velhos recordes no esporte. Acontecimentos que se podem chamar de “passagens de bastão” da história.

Em 1989, o então campeão mundial de xadrez, Garry Kasparov alcançava uma proeza que buscava desde cinco anos antes, quando, aos 19 anos de idade, se tornou o enxadrista número 1 do mundo: de ultrapassar a marca histórica de Booby Fischer no ranking mundial, que era de 2785 pontos, e permanecia incólume desde 1972! Kasparov superou a marca em oito pontos, e assombrou o mundo das 64 casas.

Numa velha edição de New in Chess (Nº 7 1989, pg.52), podem-se ler as seguintes palavras de Kasparov: “Eles (os adversários) estavam com medo. Quando você sente que eles tem esse sentimento é muito mais fácil de jogar. Eles sentem sua superioridade, isso os coloca sob pressão, e eles ficam aterrorizados”.

Alguns anos depois, próximo do fim do século XX, Kasparov cravou outra marca histórica: 2851 pontos. Dizem que ele afirmou que esse recorde não seria mais superado. Na época, Kasparov não sonhava com a existência dum menino gênio, nos confins da Noruega...

Magnus Carlsen já é habituado a proezas no xadrez: Grande Mestre Internacional aos 13 anos de idade (sem precisar passar pelo título imediatamente abaixo de Mestre Internacional), número 1 do mundo aos 19 (após um período de treinamento com Kasparov). Porém, a maior proeza está, de fato, acontecendo durante estes dias!

Aos 22 anos de idade, Carlsen disputa, desde o dia primeiro de dezembro, um torneio de elite em Londres, onde enfrenta, entre outros, os dois últimos campeões do mundo (Anand, o atual, e seu antecessor Kramnik).

Carlsen está esmagando seus adversários (5 vitórias em 6 partidas até aqui, sem derrota), está tendo o melhor desempenho de um Grande Mestre na história dos torneios magistrais de xadrez (superando o recorde que era de Karpov obtido no Torneio de Linares em 1994) e, de quebra, está destruindo o recorde de seu ex-treinador! Se o torneio acabasse hoje, já teria absurdos 2864 pontos no ranking internacional de xadrez. Carlsen poderá esmagar o recorde de seu predecessor sendo três anos mais jovem que Kasparov quando este superou a marca de Fischer.

Ainda restam duas partidas para Carlsen, mesmo com duas derrotas, sua pontuação final seria de 2851, igualando o recorde de Kasparov “somente”.

Mas não vejo como Carlsen possa ser derrotado ainda neste evento de Londres. Pode ser até que, sem saber, venha a repetir as palavras de Kasparov em 1989: “Eles estavam aterrorizados”.

Basta um empate em uma das próximas duas partidas para garantir a quebra de mais essa marca histórica. A última partida será contra Anand, atual campeão do mundo, e Magnus joga de brancas! Será mais uma “passagem de bastão”?

Londres 2012: Num mesmo torneio Carlsen (centro) pode quebrar os recordes de Karpov (à esquerda, 12º campeão do mundo) e de Kasparov ( à direita, 13º campeão do mundo)

2 comentários:

Francisco J. A. de Aquino disse...

Muito boa essa postagem!

Rewbenio disse...

Obrigado Aquino. De vez em quando sai alguma coisinha mais interessante aqui.