Páginas

sábado, 23 de junho de 2012

Xadrez nordestino e brasileiro tem novo MI




Há alguns anos, o xadrez nordestino, já com um bom número de mestres FIDE (MF), ansiava por um jogador que alcançasse pelo menos uma titulação acima, a de Mestre Internacional (MI).

Qual a diferença, já que ambas são prestigiosas titulações oficiais da FIDE?

A maior diferença está no grau de dificuldade para receber o título. No caso do MF, hoje em dia é necessário “apenas” que um jogador alcance 2300 pontos no ranking internacional, chamado de ELO FIDE.

No caso de MI, é necessário alcançar 2400 pontos de ELO. Mas não é só isso. Ainda é preciso obter, em três torneios internacionais específicos (que precisam cumprir certos requisitos), resultados equivalentes ao que seriam esperados para um MI. Esses resultados em nível de mestre (ou grande mestre) são chamados de Normas.

Por exemplo, o MF potiguar Iack Macedo recentemente fez sua primeira Norma de MI num torneio na argentina, pois obteve a pontuação esperada para um MI que era no mínimo 6 pontos em 9 partidas naquele torneio específico (no qual Iack enfrentou 3 MI´s e 3 MF´s, além de outros 3 jogadores com mais de 2245 pontos de ELO FIDE).

Além desses casos, em certos torneios muito especiais, como Copa do Mundo de Xadrez, Olimpíadas de Xadrez, Campeonatos de alcance continental, absolutos ou de categorias, por exemplo Sulamericano, Zonais continentais etc, podem conferir as titulações de MF, MI ou até GM (grande mestre) diretamente, mesmo que o jogador não tenha sequer pontuação ELO. Pode parecer mais fácil, mas são torneios tão difíceis que, em geral, somente quem já tem o nível de jogo requerido consegue mesmo a titulação direta. Por exemplo, se um jogador consegue somente qualificar-se para a Copa de Mundo da FIDE ele já recebe diretamente o título de MI.

Foi justamente num torneio especial como esses acima, o Campeonato Sulamericano Sub-20, que um dos nordestinos candidatos ao título de MI, MF Yago Santiago, conseguiu a tão esperada distinção. Yago foi vice-campeão no torneio, empatado em pontos com o campeão, o MI Evandro Barbosa, e, como este último já era MI, o título reservado ao campeão passou para ele.

Yago Santiago, 19 anos de idade, no MI do xadrez brasileiro (foto: Reino de Caíssa)
A profecia do MF potiguar Carlos Pinto de que em breve o nordeste teria um MI se concretiza então. O título de Yago deve ser homologado em breve, possivelmente no 83º Congresso da FIDE a ser realizado em agosto próximo, e a boa notícia é que ele não deve ficar sozinho por muito tempo. Já vários dos mais fortes enxadristas nordestinos estão com bom caminho andado rumo à titulação, por exemplo, daqueles que eu posso lembrar:

Jogador UF NORMAS Elo >= 2400 ELO (maio/2012) Melhor ELO
MF Paulo Jatobá BA 0 SIM 2419 2438
MF Iack Macedo RN 1 NÃO* 2379 2379
MF Carlos Barreto RN 2 NÃO 2346 2362
MF Luismar Brito PB 3 NÃO 2283 2364

* Na próxima listagem de ELO FIDE, prevista para 1/7/2012, Iack deve ultrapassar os 2400.

Parabenizo o agora MI Yago. Fico certo de que seu triunfo servirá de estímulo para que outros títulos maiores venham, e que o xadrez em nossa região e em nosso país certamente chegará a um nível muito melhor de técnica, reconhecimento e incentivos.

Um comentário:

Francisco J. A. de Aquino disse...

Postagem muito esclarecedora e didática! Com mais mestres fide e mestres internacionais, o xadrez no Nordeste tende a crescer ainda mais rápido!